terça-feira, 24 de outubro de 2017

BAMBADINCA: JOVENS E ADOLESCENTES DO SETOR PASTORAL LESTE DA DIOCESE DE BAFATÁ PARTICIPAM DE FORMAÇÃO


Decorreu, de 20 a 22 de outubro, sexta-feira a domingo, em Bambadinca, a formação dos líderes dos Grupos de Jovens e Adolescentes, Grupos Corais, Valentes (CVAV), Escuteiros, Schoenstatt das Paróquias e Missões do Setor Pastoral Leste da Diocese de Bafatá. Os 28 jovens e adolescentes, que participaram e interagiram de forma ativa na formação, refletiram e aprofundaram as seguintes temáticas: Pe. Domingos da Fonseca refletiu sobre “a força transformadora da Palavra de Deus”; As jovens Marta Gonçalves e Filipa Faustino, missionárias portuguesas, que estão a colaborar na Paróquia Santa Cruz de Buba, desde o dia 26 de setembro, trabalharam com os participantes sobre o “espirito de trabalho em equipe”; “comunicação e liderança em grupo”; “elaboração dos relatórios e atas das reuniões, bem como tabelas de balanço económico e fichas eletrónicas”.

Na manhã do dia 21, Dom Pedro Zilli visitou o grupo. Ao usar a palavra, disse: “na orientação de um grupo, é necessário que haja criatividade e que os grupos programem suas atividades devidamente, evitando o modo cômodo da improvisação, porque não ajudar a crescer”. 
Entre outros aspectos, informou os presentes sobre o Encontro Cáritas da Região África, em Dakar, no mês de setembro, e sobre o IX Fórum das Caritas dos Países Lusófonos, em Cabo Verde, no mês de outubro;
Falou do “Dia Mundial das Missões”, celebrado no domingo, dia 22 de outubro e da responsabilidade missionária de cada cristão; exortou os jovens e adolescentes a “participarem”, através do oração e da reflexão, do Sínodo de 2018 que tem como tema “os jovens, a fé e o discernimento vocacional”; exortou-os a serem ativos no Ano Bíblico (2017-2018) da Diocese de Bafatá e a se empenharem na preparação e vivência da Jornada Interdiocesana da Juventude Católica da Guiné-Bissau a ter lugar no mês de maio 2018, prevista para Bambadinca. No final do encontro, os participantes fizeram um “balanço” positivo de tudo o que viveram e aprenderam. Agradeceram a oportunidade e pediram que haja mais encontros desse caracter porque oferecem “ferramentas” para ajudar os seus liderados e a própria comunidade nos seus grupos e movimentos.

Domingo de manhã, “Dia Mundial das Missões”, com a presença dos que participaram do encontro, Dom Pedro presidiu, lá mesmo em Bambadinca, a celebração que dava abertura ao Ano Pastoral Bíblico (2017-2018) na Diocese. Na mesma celebração, teve lugar o envio dos catequistas da Paróquia e abertura do Ano Pastoral dos jovens e adolescentes na Diocese. 


Pe. Maio da Silva, coordenador da Comissão Diocesana da Adolescência e Juventude, pediu a Dom Pedro que entregasse a cada representante das paróquias presentes, na celebração, um exemplar do “Documento Preparatório” da XV Assembleia Geral Ordinária, “Os jovens, a fé o discernimento vocacional”. 




Pe. Maio aproveitou da ocasião para lembrar à comunidade que no mês de maio de 2018, Bambadinca será palco da Jornada Interdiocesana da Juventude Católica Guineense, em preparação à 34.ª Jornada Mundial da Juventude com o tema “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38) a realizar-se, entre 22 e 27 de janeiro de 2019, no Panamá.



quinta-feira, 19 de outubro de 2017

GABU GANHA NOVO JARDIM INFANTIL




Na quinta-feira, dia 19 de outubro, na Missão Católica, em Gabu, sob a responsabilidade da Comunidade Nova Aliança, que tem contado com preciosa presença do Pe. Rafael Ligeiro, foi Inaugurado o Jardim Infantil Santa Josefina Bakhita.

Com os missionários da Nova Aliança, participaram da inauguração, as 53 crianças matriculadas na instituição; alguns pais e mães e educadores; Dom Pedro Zilli; Pe. Daniel Thiara Boubane, Pároco da Paróquia Santa Isabel da qual faz parte a Missão Católica; a Sra. Paula Silva, representando a FEC – Fundação Fé e Cooperação -, o Sr. Edilson Correia Landim, representando a Caritas Diocesana de Bafatá, através do Departamento de Educação e Ensino; as leigas missionárias Pérola de Assis M. Goncalves e Adriana Nishiyama.
A instituição que, iniciou suas atividades neste ano letivo 2017-2018, recebeu o nome “Jardim Santa Josefina Bakhita”, santa africana escolhida para ser a sua padroeira. Como a sua celebração litúrgica ocorre no dia 8 de fevereiro, foi anunciado que o Jardim celebrará a sua festa nesta data.

A Sra. Paula, tomando a palavra, felicitou a Igreja por mais esta iniciativa e augurou que o Jardim seja uma instituição que promova um “futuro risonho para nossas crianças”.
Pe. Rafael salientou que o “Jardim assume os valores da dignidade, verdade e compromisso como alicerce do pilar da educação, que para nós é uma das faces da evangelização”.
Dom Pedro ressaltou que “o Jardim Infantil pertence à Igreja Católica, mas que está a serviço de todos, indistintamente”. Enfatizou as palavras do Sr. Edilson para dizer que o seu sonho é que, “tendo iniciado o Jardim Infantil, a Missão consiga oferecer aos estudantes de Gabu, os cursos que vão desde a primeira até à décima segunda classe”. Agradeceu a Comunidade Católica Nova Aliança e a Paróquia de Santa Isabel pelo serviço iniciado, a FEC e o Instituto Camões por o todo apoio prestado, o Departamento de Educação e Ensino pelas orientações para o bom andamento das atividades e os pais e encarregados de Educação pela confiança depositada nos missionários. Recordou que, com os Jardins Infantis de Pirada e de Gabu, a Diocese iniciou uma presença efetiva no âmbito da Educação na Região de Gabu.  
Dom Pedro abençoou o retrato de Santa Bakhita e a Cruz de Nosso Senhor, bem como todo o Jardim e pessoas presentes, especialmente as crianças.

Sra. Paula, Pe. Rafael, Dom Pedro e Pe. Daniel


As crianças fizeram uma homenagearam ao bispo, cantando em língua fula, uma pequena canção que fala sobre as partes do corpo e lhe entregaram um presente que elas mesmos confecionaram, como um gesto de agradecimento pela visita e pelo esforço da Diocese em favor da Educação. 

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

CABO VERDE: IX FORUM DAS CÁRITAS DOS PAÍSES LUSOFONOS



Sob o tema “FOME E DESIGUALDADES NOS PAÍSES LUSÓFONOS: O ENGAJAMENTO DA CARITAS NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL E ECONOMICA DESSES PAÍSES”, de 07 a  17 de outubro, teve lugar, no Centro de Formação da Caritas no Munícipio de São Salvador do Mundo – Achada Igreja – Picos - Ilha de Santiago – Cabo Verde, o IX Fórum das Caritas dos Paises Lusófonos que possibilitou o encontro e a partilha com as diversas Cáritas e culturas, nomeadamente as de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e S. Tomé e Príncipe, fortalecendo os laços históricos e fraternos que as unem, bem como adquirir e partilhar competências e boas práticas.  O Forum que teve a honra das presenças de um representante da Caritas Internationalis e um da Comissão de Justiça, Paz e Desenvolvimento da África, totalizou 31 participantes.  Dom Pedro Zilli, Pe. Maio da Silva e Clemento António Ano Mendes participaram representando a Caritas Guiné-Bissau.


Os participantes debateram sobre a fome e desigualdades nos países lusófonos; economia social solidária como estratégias de erradicação da fome e das desigualdades; mudanças climáticas e impactos nos países lusófonos; Encíclica Laudato Si, desafios para as Igrejas dos países lusófonos; agroecologia como resiliência às mudanças climáticas e estratégia para segurança alimentar e nutricional; direitos humanos e o fenômeno migratório: Compartilhe a viagem.

Aprofundando o tema Fome e Desigualdades, o engajamento da Cáritas nos processos social e econômico desses países Lusófonos, na “Declaração Final”, os participantes insistiram sobre a necessidade de “lutar pelo direito humano à alimentação e a promoção da segurança alimentar e nutricional das populações, denunciando as estratégias que tornam o alimento mercadoria rentável e negócio para as corporações que investem nas bolsas de valores”.
Alem dos encontros e debates, foi considerada “como altamente positiva a imersão na realidade das comunidades visitadas” que permitiram aos participantes sentirem de perto os desafios e as esperanças de um povo que luta contra a seca em lugares de difícil acesso. Notou-se a grande estima daquele povo sofrido pela Caritas e por toda a Igreja de Cabo Verde que se preocupam pelo seu melhor bem-estar. Outro ponto importante: “os momentos de oração e celebração da Eucaristia, de modo especial, os 300 anos de Nossa Senhora da Imaculada Conceição de Aparecida, padroeira do Brasil, e a recordação dos 100 anos das aparições de Nossa Senhora de Fátima”. No dia 12, os lusófonos sentiram-se profundamente unidos ao povo brasileiro.

O Fórum das Caritas Lusófonas, em Cabo Verde, foi muito na linha do tema proposto pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) que traz como tema para o “Dia Mundial da alimentação” para este ano 2017, celebrado no dia 16 de outubro: “Mude o futuro da migração. Investir na segurança alimentar e no desenvolvimento rural”. Neste sentido, é bom ouvir o que o Papa Francisco afirmou em pronunciamento na FAO, no referido dia 16 de outubro, em Roma: “Está claro que as guerras e as mudanças climáticas são algumas das causas da fome. Logo, não apresentemos a fome como se tratasse de uma doença incurável”.





quarta-feira, 11 de outubro de 2017

PIME CELEBRA 70 ANOS DE PRESENÇA NA GUINÉ-BISSAU


 Na terça-feira, dia 03 de outubro, com participação de Dom José Lampra Cá, Bispo Auxiliar de Bissau, das Missionárias da Imaculada (MDI), padres, irmãs e amigos de Bafatá, representantes da Associação “Filhos e Amigos de Geba”, os Missionários do PIME celebraram, em Geba, os 70 anos de presença na Guiné-Bissau – maio de 1947-maio de 2017. 70 anos que acolheram 76 missionários, entre padres e irmãos e 02 Associados ao PIME; destes, 30 faleceram. Nos últimos anos, o PIME passou a contar com 03 sacerdotes guineenses e com um significativo grupo de seminaristas.

No início da celebração, Pe. Fabio Motta, Superior Regional do PIME, recordou o primeiro grupo de missionários PIME chegou na antiga Guiné Portuguesa, no dia 25 de maio de 1947, domingo de Pentecostes, depois de 10 dias de viagem de navio. O grupo era composto por 06 padres e um missionário leigo: Pe. Settimio Munno, Pe. Arturo Biasutti, Pe. Spartaco Marmugi, Pe. Efrem Stevanin, Pe. Filippo Croci, Pe. Luigi Andreoletti e o Irmão Vincenzo Benassi. Tendo chegado em Bissau, após poucos dias, o grupo foi destinado para Bafatá e Geba. Para Geba, foram os padres Stevanin, Croci e Andreoletti.
Pe. Fabio continuou dizendo que “recordar as origens do PIME, na Guiné-Bissau, deve se tornar um estímulo para manter vivas duas dimensões que caracterizaram o seu apostolado durante estes 70 anos: 1. Privilegiar as periferias, as tabankas em relação à “praça” para aproximar-se de todos; 2. Encontro com as culturas locais. Desde o início os missionários ousaram ir contra as disposições obrigatórias do uso exclusivo da língua portuguesa, adotando o crioulo”.

Leu o e-mail do Pe. Giuseppe Fumagalli, na Itália para cuidados da saúde: “associo-me ao agradecimento pelos 70 anos que o Senhor concedeu ao nosso PIME de trabalhar na Guiné, ao pedido de perdão pelas eventuais negligencias existidas e peço a graça de uma leitura serena do caminho que ele nos concedeu fazer, para reconhecer e discernir os elementos positivos que nos ajudem a continuar numa nova etapa com energias renovadas e com clareza de intentos”
Na homilia, Dom Pedro disse, entre outros aspectos: “chegados a 70 anos de presença na Guiné-Bissau, o PIME tem todo o direito de fazer um balanço positivo de sua atuação. O suor derramado, as malárias, os cansaços, as frustrações, as dores da alma não foram em vão. Tudo está no coração de Deus e de muitos guineenses que reconhecem a importância do Instituto ao serviço da Igreja e de tantos irmãos e irmãs deste País e desta Igreja que nos acolheram. Acolheram-nos e nos consideram ‘de casa’; Sentem-se amados por nós e nos amam. Quando eu voltei à Guiné-Bissau, como bispo, em 2001, uma senhora me disse que ‘eu era um filho que voltava para casa’”.  


Dom Pedro salientou que, nos próximos 70, “os missionários do PIME deverão continuar a irradiar entusiasmo, ajudando a Igreja da Guiné-Bissau na compreensão da beleza de uma vida dedicada totalmente à Missão, sem reservas, numa total gratuidade”. No final da Homilia, Dom Pedro disse: “que o Senhor abençoe o Dom José Lampra Cá – aqui conosco e que muito nos honra - abençoe Dom José Câmnate, o Vigário Geral de Bafatá, Pe. Domingos da Fonseca, Pe. Gaudêncio, Missionário PIME na Papua Nova Guiné, todo o PIME no mundo, às Missionarias da Imaculada, Padres e Irmãs de Bafatá, o casal Leandro e Pérola, os ‘Filhos e Amigos de Geba’, Pe. Alberto Gomes e paroquianos da Paróquia Nossa Senhora da Graça, pessoal da cúria e da missão que muito trabalhou para o bom êxito deste dia”.






CATIÓ: PE. GIOVANNI PHE THU, NOVO PÁROCO

Pe. Maurizio, Pe. Gaudencio, Luca, Dom Pedro, Pe. Giovanni e Pe. Fabio
Na missa de domingo, dia 01 de outubro, em Catió, foi lido o Decreto N.5/2017, de 01 de outubro, de Dom Pedro Zilli, nomeando Pe. Giovanni Phe Thu para pároco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Catió. A missa foi concebrada pelo Pe. Fabio Motta, Superior Regional do PIME e ex-pároco em Catió, Pe. Maurizio Fioravanti, Pe. Gaudêncio Francisco Pereira, Missionário na Papua Nova Guiné e o próprio Pe. Giovanni Phe Thu. O Seminarista Luca Vinati (PIME) que também estava no altar, ouviu a leitura do “proclama público” para que a comunidade se manifeste sobre o seu pedido de ordenação diaconal.



Na homilia, Dom Pedro falou de Santa Teresinha do Menino Jesus, “Padroeira das Missões” que, nos seus 24 anos, “ofereceu a vida pela salvação das almas e pela Igreja”. Falou da Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Missões 2017 que tem como lema: “A Missão no coração da fé cristã”.






Pe. Giovanni
Desejou “boas vindas” ao Pe. Giovanni a Catió. Pediu ao Senhor pela “sua nova missão como pároco para que ele seja um bom missionário, solícito pastoralmente”. 

Pe. Fabio

Agradeceu o Pe. Fabio Motta por tudo o que foi e o que fez em Catió e em toda a Diocese durante 07 anos de presença. Pediu ao Senhor que abençoe o Pe. Fabio “na sua missão de Superior Regional do PIME no ano em que o Instituto completou 70 anos de serviço a Deus, à Igreja, aos irmãos, na Guiné-Bissau”. Agradeceu o Pe. Maurizio Fioravanti, as Irmãs e toda a comunidade paroquial “por todo o caminho feito até”. Exortou-os a renovar a coragem na “continuidade da missão”.



Pe. Gaudencio
 Antes da benção final, o Pe. Gaudêncio falou da sua experiência na Papua; Pe. Phe Thu falou da sua boa vontade “em colaborar para o bom andamento da comunidade”; Pe. Fabio agradeceu a comunidade pelo tempo que passou em Catió e ao Pe. Giovanni pela disponibilidade em assumir esta nova tarefa missionaria.
Após a benção, Dom Pedro, os concelebrantes e toda a comunidade se dirigiram aos mosaicos que representam as aparições de Nossa Senhora de Fatima, para entregar o Pe. Phe Thu nas mãos da Mãe Maria para que ela o “cubra com seu manto sagrado”. Diante de Nossa Senhora, ele abençoou a todos os presentes.




PASTORAL DA CRIANÇA DA GUINÉ RECEBE VISITA DO BRASIL

Adriana, Danieli, Dom Pedro, Ir. Ernestina e Ir. Patricia
Dos dias 19 a 30 de setembro, as dioceses de Bissau e Bafatá tiveram a alegria de acolher a Sra. Danieli Maroleto, enviada pela Pastoral da Criança Internacional para uma visita a Pastoral da Criança na Guiné-Bissau.

Encontro com os líderes de Gabú
Durante a sua permanência no país, foram realizados encontros com os líderes; visitas as famílias; encontros com coordenadores paroquiais; celebração da vida; auditoria nas prestações de contas; uma primeira reunião com Dom Pedro Zilli, presidente da Pastoral da Criança na Guiné-Bissau conjuntamente com a coordenação da pastoral; encontro com Irmã Patrícia Santos coordenadora da Pastoral da Criança na Diocese de Bissau. Infelizmente não foi possível encontrar a Irmã Cícera Marques, coordenadora da Pastoral da Criança a Diocese de Bafatá, devido ao atraso do voo que a trazia do Brasil a Guiné.

Celebração da vida em Contuboel
No encontro final, dia 27 de setembro, na cúria de diocesana de Bafatá, com Dom Pedro e a equipe, Danieli comunicou que a partir do mês de outubro as FABS - Folha de Acompanhamento e Avaliação Mensal das Ações Básicas de Saúde e Educação na Comunidade – passarão a ser digitadas no Brasil. Para tanto, deverão ser fotografadas e enviadas para lá; pediu que os coordenadores de ramo acompanhem de perto seus líderes e que sejam mais exigentes com os coordenadores paroquiais nas prestações de contas; foi realçado a importância da comunicação com a Pastoral da Criança no Brasil; a importância de não se ficar fechados no escritório, mas de ir ao terreno; alertou-se para a necessidade de as duas coordenações diocesanas atuarem em profunda sintonia, com programação conjunta.
Até o momento a Pastoral da Criança nas duas dioceses conta com 30 comunidades, 132 líderes e apoios voluntários, 1.060 crianças e 959 famílias.



terça-feira, 10 de outubro de 2017

BOLAMA ACOLHEU UMA NOVA COMUNIDADE MISSIONARIA


Ir. Francisca, Pe. Abraão, Ir. Dorilene, Dom Pedro, Pe. Paulo, Nice, Cicera, Danieli e Marciel
Após a comunidade cristã de Bolama ter tido a graça da presença da comunidade das Irmãs Franciscanas Missionárias Diocesanas da Encarnação, a partir do dia 22 de março de 2014 e que estão comemorando os 30 anos da fundação, foi a vez de acolher a comunidade Católica Boa Nova, fundada pelo Sr. Hamilton Apolônio, em 1989, no bairro de Piedade - Jaboatão dos Guararapes–PE. Com o carisma: “Amar e ser aquilo que Deus quer”, a comunidade é composto de casais, jovens, celibatários e sacerdotes. Recebeu o reconhecimento canônico no ano de 2011 das mãos do Arcebispo Dom Fernando Saburido, Arquidiocese de Olinda e Recife. A Comunidade chegou à Guiné juntamente com as Irmãs Dorilene e Francisca da comunidade acima citada que regressaram de férias do Brasil. Os três missionários: Claudenice Santina de Lira, Cícera Bernardo do Nascimento e Marciel Antônio da Silva foram diretamente para Gabú, tendo sido hospedados na Comunidade “Nova Aliança”, até o dia 22 de setembro, quando então vieram para a cúria diocesana em Bafatá. Ficaram na cúria até o dia 25 de setembro.


Na manhã do dia 25, segunda-feira, foram para Bolama, acompanhados por Dom Pedro Zilli, o condutor Domingos Alexandre Fernandes e a Sra. Danieli Maroleto, brasileira, enviada pela Pastoral da Criança Internacional.
Foram acolhidos no porto de Bolama pelo grupo coral e alguns membros da Comunidade. 







Nas missas de segunda à tarde e da terça de manhã, os três missionários já tiveram uma primeira apresentação por parte de Dom Pedro que manifestou toda a sua alegria pela “graça de mais enviados do Senhor para à Ilha de Bolama”. Nas suas palavras, “com o pessoal missionário que tem, Bolama está à altura de intensificar o anuncio da Palavra de Deus, a celebração dos Sacramentos e o serviço da caridade”.  Agradeceu o Sr. Hamilton pelo envio da comunidade. Ainda na tarde da segunda-feira, em companhia do Pe. Abraão e do Maciel, Dom Pedro viveu a felicidade e crismar a Sra. Maria Clara.  À noite, teve uma reunião com os padres Abraão e Paulo de Pina, as irmãs e os consagrados. Nesta reunião, falou-se dos possíveis empenhos missionários dos três consagrados. Outro ponto importante, foi a notícia de uma casa muito boa que poderia ser alugada para residência da nova comunidade. Na manhã de terça-feira, Dom Pedro, Pe. Abraão e os três visitaram a casa e chegaram a um acordo com o proprietário para que eles residam nela já a partir do dia 12 de outubro. Para o almoço de terça-feira, vieram de Tite para Bolama, o Pe. Lucio Espindola Santos, a Sra. Fatima e dois jovens aspirantes à vida consagrada no Divino Oleiro. Foi um modo de dar “bem vindos” aos novos missionários e intensificar a comunhão e colaboração entre Bolama e Tite.

Nice, Marciel e Cícera
No domingo, dia 01 de outubro, festa de Santa Teresa do Menino Jesus e início do mês missionário, na santa Missa das 10 horas, os consagrados foram apresentados à comunidade local, que ficou muito entusiasmada exprimindo sua alegria com um “longo aplauso”. Pe. Abraão sublinhou que “os três missionários vão se inserindo aos poucos na vida da paroquia que, de início, ficaram hospedados na Missão Católica. Pelo que o seu carisma apresenta, estou convicto que esta Nova Comunidade será muito útil não só para Bolama, mas sim para a nação guineense”, salientou Pe. Abraão.


BUBA: 70 ANOS DO PE. CLEMENTE E LANÇAMENTO DA CAMPANHA GLOBAL DE MIGRAÇÃO

                        Pe. José, Pe. Paulo, Seminarista Luis Paulo, Diácono Pedro, Dom Pedro,                          Pe. Clemente,  Pe. Domingos, Pe. Ivan, Pe. Admir e Pe. Dingana
No dia 28 de setembro, em Buba, foi celebrado o aniversário de 70 anos do Pe. Clemente Kiok Gomis, sacerdote diocesano de Bafatá. Depois de anos como pároco na Paróquia Santa Cruz, em Buba, no dia 21 de setembro de 2014 foi nomeado Vigário paroquial da Paróquia Imaculado Coração de Maria, em Bambadinca e no dia 23 de julho de 2015 foi nomeado Vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Graça em Bafatá. 



No mesmo dia 28 de setembro, Dom Pedro Zilli nomeou o Pe. Clemente para Vigário paroquial de Buba, agradecendo-o por todo o amor ao sacerdócio e sua disponibilidade pastoral. Ele fará comunidade sacerdotal com os padres Admir Isnaba Pereira Tamba e Dingana Siga.




Pe. Clemente
Durante a celebração presidida por Dom Pedro Zilli e concelebrada pelos sacerdotes de Buba, mais alguns sacerdotes, Diácono Permanente e com boa presença de fieis, Pe. Clemente manifestou toda a sua alegria por estar voltando para Buba e por todo o acolhimento demonstrado pelos sacerdotes, irmãs e comunidade paroquial. Agradeceu ao Bispo por ter-lhe enviado à sua antiga paróquia. Disse-se disposto a colaborar para o bom andamento da comunidade, tanto sacerdotal como paroquial. Ele foi homenageado por todos, tendo recebido prendas como sinais do carinho da comunidade.

No final da celebração, Dom Pedro lançou, na Diocese, a Campanha global de migração “Compartilhando a viagem”, da Caritas Internationalis que teve início no dia 27 de setembro e irá até 2019. Foi lida a carta do Presidente da Caritas Internationalis, Cardeal Luís Antônio Tagle, na qual ele explica que, por meio da Campanha, a Caritas quer contribuir para que a sociedade compreenda as razões que levam tantas pessoas a deixarem a própria casa, o país de origem, neste momento da história. Na carta, o Cardeal disse, entre outros aspetos: “...queremos inspirar as comunidades a estabelecer relações com os refugiados e imigrantes. A imigração é uma história muito antiga, mas nossa campanha tem o objetivo de ajudar as comunidades a enxergá-la com novos olhos e com um coração aberto”. 


Toda rede Caritas foi convocada para celebrar a abertura dessa campanha global pelos imigrantes e refugiados no mesmo dia 27 de setembro. Foram lidas também algumas palavras do Papa Francisco no lançamento da Campanha, na Praça de São Pedro, no dia 27: “tenho a alegria de acolher os representantes da Caritas, vindos para dar o início oficial à Campanha “Compartilhe a viagem” – bonito nome da campanha de vocês: compartilhar a viagem – que eu quis fazer coincidir com esta audiência. Dou as boas-vindas aos migrantes, aos que solicitam asilo e refugiados que, junto aos agentes da Caritas italiana e de outras organizações católicas, são sinal de uma Igreja que procura ser aberta, inclusiva, acolhedora”. Após à celebração, a comunidade ofereceu um saboroso almoço, ao bispo e demais convidados. Que Deus seja louvado pela vida do Pe. Clemente e de tantos migrantes e refugiados.


sexta-feira, 6 de outubro de 2017

BEDANDA: RETORNO DAS IRMAS


No sábado, dia 23 de setembro, as Irmãs Franciscanas de Cristo Rei (IFCR) retornaram à Missão Católica de Bedanda, Sul da Diocese de Bafatá. Foram 15 meses de ausência que tiveram seu início na noite de 2ª-feira, dia 6 de junho de 2016, noite em que a casa das irmãs foi atacada por três bandidos armados. As duas que estavam na casa naquele momento de dor, sofreram muito. Reabriram estavelmente a casa, as Irmãs Maria Pia Garbui, Irmã Judite Mansebo e Irmã Leôncia Rosara. Sublinhe-se que nos 15 meses de ausência, as irmãs não deixaram de ir a Bedanda para encontrar a comunidade, fazer determinados trabalhos, etc.

No domingo, dia 24, na missa presidida por Dom Pedro Zilli e concelebrada pelos Freis Benício e Máximo, Franciscanos de Caboxangue que assistem pastoralmente a comunidade, num ambiente de alegria pelo retorno das irmãs, a Irmã Leôncia disse que “Bedanda foi nossa primeira missão na Guiné. Ambiente de vida, de aprendizagem, de serviço, oportunidade de colaboração preciosa para nós, desde 1985”. Disse ainda que “nossa volta é como uma retomada mais consciente, mais profunda, quem sabe uma ‘refundação’”. No final da sua mensagem, Irmã Leôncia disse: “Muito obrigado ao nosso Bispo Dom Pedro que nos acompanhou e que está presente, aos Padres sempre fieis em seu serviço, à comunidade e a todos”. Dom Pedro, os Freis Benício e Máximo e toda a comunidade manifestaram todo o seu contentamento pelo retorno das irmãs. 

Após às palavras da Irmã Leôncia, Dom Pedro disse que “com as irmãs, Bedanda é mais bonita, mais alegre, mais feliz. Sem as irmãs, Bedanda é mais feia, mais triste, mais infeliz”. Agradeceu as Irmãs Franciscanas de Cristo Rei pela presença de 32 anos naquela Missão Católica dedicada a São Paulo Apóstolo. Agradeceu a Superiora Geral e todas as irmãs que, em Bedanda, serviram a Deus, a Igreja e ao povo, “cada uma com seu jeito, suas fragilidades, mas sobretudo, com seu amor”; Agradeceu os Freis de Caboxangue pela presença continuada, especialmente neste mais de um ano de ausência da irmãs; Agradeceu a comunidade pelo espírito de família vivido com as irmãs durante todos os anos de serviços por elas prestados; Agradeceu as autoridades, régulos, muçulmanos e amigos de Bedanda que, especialmente nos momentos de maior dor, estiveram próximos das irmãs. A seguir, Dom Pedro disse: “felizes pelo retorno das irmãs, é hora de iniciar uma nova caminhada, aproveitando de toda a experiencia vivida, conquistas, fracassos, procurando caminhos novos, com coragem nova, com ‘o mesmo entusiasmo dos cristãos da primeira hora; podemos contar com a força do mesmo Espírito que foi derramado no Pentecostes e nos impele hoje a partir de novo sustentados pela esperança que ‘não nos deixa confundidos’” (Rom 5,5)” (São João Paulo II, Carta Apostólica Novo Millennio Ineunte, 58). Concluiu suas palavras, dizendo: “que as Irmãs, Freis, comunidade, autoridades e toda a população se juntem as mãos para melhores dias para Bedanda. Que Bedanda saia do isolamento, não somente físico, mas também cultural e social”. Fr. Benício despediu-se da comunidade dizendo que foi transferido para a Paróquia Senhora Nossa da Paz de Nhoma, diocese de Bissau.


Apos à missa, houve um encontro com alguns membros da comunidade, os Freis, as Irmãs e autoridades. As autoridades se comprometeram a “guardar a casa das irmãs todas as noites”. Também as irmãs disseram umas palavras, sublinhando que a comunidade da praça de Bedanda deve dar “folga” para que elas possam ir para as tabancas encontrar as pessoas. Depois disso, foi oferecido um bom almoço como sinal de alegria pelo retorno das irmãs.


DIOCESE DE BAFATÁ: SEMANA BÍBLICA EM NHABIJÃO





“A Bíblia na formação da Fé”: este foi o tema da Semana Bíblica realizada em Nhabijão, nos dias 18 a 22 de setembro. Estiveram presentes catequistas das paróquias de Santa Isabel – Gabú, São Daniel Comboni e Nossa Senhora da Graça – Bafatá, Imaculado Coração de Maria – Bambadinca, São Pedro – Tite, Missão de Cacine, Nossa Senhora de Fátima – Catió, São José – Bolama.

Pe. Giuseppe Pizzoli, coordenador da Pastoral Diocesana e da Comissão Bíblica, dirigiu o estudo da Exortação Apostólica Verbum Domini do Papa Bento XVI, da Constituição Dogmática Dei Verbum, destacando os caminhos da Palavra na voz da Igreja. Deram-se também apontamentos do método da Lectio Divina, como meio seguro de intimidade com a Palavra de Deus e aprofundamento da fé no dia-a-dia do cristão. Com diferentes dinâmicas e atividades práticas, o aprendizado do método foi vivenciado com o objetivo de propagar a experiência nas respetivas paróquias. O missionário Bruno conduziu uma noite de jogos bíblicos, além do filme sobre o Apóstolo Paulo que colaborou para gerar um espírito de alegria, fraternidade e simplicidade na experiência de formação do povo de Deus.

 A semana foi finalizada com a missa de envio dos catequistas, com a bênção de cada um e ficando o convite a perseverarem no caminho de conhecimento e intimidade com a Palavra, testemunhando e anunciando a experiência em suas comunidades, na expectativa de outros momentos formativos como este.



quarta-feira, 4 de outubro de 2017

CARITAS ÁFRICA ENCONTROU-SE EM DAKAR


Em colaboração com o Secretariado Geral da Caritas Internationalis, a Caritas África, que é uma das 7 Regiões da Confederação Caritas Internationalis, realizou, de 18 a 20 de Setembro, em Dakar - Senegal, um Encontro com o tema “Organizando o Serviço de Caridade em África: O Papel dos Bispos”. Tal tema responde a uma preocupação fundamental da Região, ilustrada no seu Quadro Estratégico 2015 – 2019 e no seu Plano Operacional.

Os 168 participantes de 43 países – cardeais, arcebispos, bispos, Presidentes de Conferencias Episcopais, sacerdotes e leigos - entre os quais Dom Pedro Zilli, Vice-Presidente da Caritas Guiné-Bissau e Clemento António Ano Mendes, encarregado de programas da Caritas Guiné-Bissau, durante os três dias, falaram da implicação dos Bispos no serviço da caridade. As seis Caritas do mundo participaram nesta reunião de Dakar, cuja cerimônia de abertura foi presidida pelo Ministro das Forças Armadas Augustino Tine, representante do Presidente da República do Senegal Sr. Macky Sall. Os vários conferencistas recordaram na cerimônia de abertura, a importância da caridade, a mão ativa da Igreja ao serviço dos mais desfavorecidos.

Dom Pedro e Clemento
O Núncio Apostólico, Dom Michael Banach, entregando a mensagem do Papa Francisco afirmou que a caridade é uma dimensão a que a Igreja não pode renunciar. Para ele, a caridade é a única força que une os povos e fortalece seu vínculo com Deus neste mundo, marcado por atrocidades humanas. O Núncio Apostólico apelou à unidade e à reflexão para a instituição de caridade africana. 
Na “Declaração Final” os participantes sublinharam que “este encontro foi realizado cinco anos após aquele de Kinshasa no mês de novembro de 2012 sobre ‘a identidade e a missão da Caritas à luz da Encíclica Deus Caritas Est’, sancionado por uma Declaração final forte, insistindo sobre a natureza eclesial da Caritas e sua missão específica à luz do Evangelho e da Doutrina Social da Igreja Católica”. Reafirmaram o conteúdo de tal Declaração.


As presenças do Cardeal Peter Kodwo Appiah TURKSON, Prefeito do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, do Cardeal Luis António TAGLE, Presidente da Caritas Internationalis foram “para nós um encorajamento e suas intervenções uma fonte de inspiração na nossa responsabilidade de pais da caridade nas Igrejas particulares”(Declaração Final).





DIOCESE DE BAFATÁ: ESTAGIO PARA CATEQUISTAS PRIMEIRO ANÚNCIO NAS TABANCAS E COMUNIDADES


Com o tema “Primeiro Anúncio nas tabancas e comunidades”, teve lugar em Contuboel, de 11 a 15 de setembro, um encontro formativo destinado aos catequistas com menos de dois anos de experiência, animadores e futuros animadores nas tabancas. Sob a orientação do Pe. Paulo de Pina Araújo coordenador diocesano da catequese; Padre Inácio Djú,  coordenador da catequese no Setor Pastoral Leste e do seminarista Luca Vinati – PIME – de Catió e o fundamental acolhimento das Irmãs, participaram do encontro 32 catequistas das seguitnes paróquias e missões: Paróquia Nossa Senhora da Graça – Bafatá: 03; São Daniel Comboni – Bafatá: 02; Bambadinca: 02; Bedanda: 03; Bolama: 03; Buba: 01; Cacine: 01; Cafal: 01; Quitafine:01; Catió: 04; Contuboel: 01; Empada: 02; Gabu: 02; Quebo: 03; Tite: 03.



O encontro marcado pela celebração da Santa Missa quodiana e varios momentos de oração, contou com a colaboraçao do Pe. Jose Pizzoli que falou da Evangelização segundo o ensinamento da Igreja, explicando os cinco passos fundamentais no processo do Anúncio:
1-    Testemunho de caridade
2-    Primeiro anúncio para a conversão
3-    Catequese para os sacramentos
4-    Vida de Comunhão na comunidade
5-    Missão

A seguir falou sobre o como fazer a primeira Evangelização nas tabancas onde nunca se ouviu falar de Jesus. A partir daí introduziu o primeiro anúncio segundo o evangelho de Marcos.
Falou da importância deste Evangelho no primeiro anúncio por causa da experiência de vida que Marcos fez com Pedro, que simboliza o anunciador do Evangelho dentro da comunidade e com Paulo, o anunciador do Evangelho aos povos pagãos. Neste sentido o evangelho de Marcos tem essas duas dimensões da Evangelização. Disse que é um Evangelho catecumenal porque Marcos o escreveu como um manual para dar catequese.
No fim falou da metodogia de Marcos que é de carater pedagógico, isto é,  ajuda o catecúmeno a usar a sua capacidade para entender e tirar as suas próprias conclusões.
A tarde o seminarista Luca  ajudou os catequistas a treinarem na busca das referencias na Bíblia. Foram feitos muitos exercícios para o aprofundamento desta prática.
A noite viu-se o filme intitulado “O Grande Milagre” que fala da importância da Santa Missa e dos Anjos da Guarda na nossa vida.
No dia 13, depois das Laudes e Missa, presidida pelo padre Inácio Djú, pelas 9 horas, ele falou sobre o Discurso Montanha, Mt. 5-7, mostrou como pode ser usado o discurso da montanha a nível do primeiro anúncio.

Falou das Bem-Aventuranças como Nova Lei para o cristão, da importância de oração na vida dos cristão, sobretudo do Pai Nosso, na maneira como assumir uma vida cristã mais séria, sobretudo através do testemunho da vida, sendo “sal de terra e luz de mundo”.
A tarde Pe. Paulo falou da Metodologia Catequética, a maneira como transmitir a Palavra de Deus na catequese.
A noite realizou-se um Djumbai com os catequistas.
No dia 14, o Pe. Paulo falou do Primeiro Anúncio nos Atos dos Apóstolos, evidenciando um pouco da vida do Lucas, o autor do Livro, da sua relação com o apóstolo Paulo, depois explicou o objetivo e a divisão do livro.
Falou da importância do Espirito Santo na vida dos apóstolos, falou da abertura destes ao Espírito Santo como exemplo para os catequistas, falou do Pedro e do Paulo, do problema que tiveram no anuncio da Palavra e como superaram esses problemas. Tudo isso para mostrar aos catequistas que devem ter a mesma dinâmica e coragem dos apóstolos no inicio da Igreja, tendo Jesus sempre como o principal conteúdo da primeira Evangelização.
No período da tarde com a presença do bispo Dom Pedro, do Pe. José Pizzoli e Pe. António Ambona, o coordenador Pe. Paulo de Pina fez um breve resumo daquilo que foi o encontro até aquele momento.

Depois os catequistas fizeram próprio balanço do encontro. Pediram que esse tipo de encontro seja realizado pelo menos duas vezes por ano. Vários disseram que ganharam muitos conhecimentos durante os dias em Contuboel, falaram da importância de todos os temas orados, compreenderam a necessidade de os catequistas rezarem mais e de darem bom testemunho da fé cristã a exemplo dos apóstolos e que sejam catequistas em todos os lugares e momentos.
 Para outros, a formação os ajudou muito para poderem melhor ajudar os irmãos. Outros fizeram pedidos ao bispo no sentido de dar mais apoio aos catequistas novos e de novas comunidades
Agradeceram a Deus, ao Dom Pedro e à Comissão de Catequese.  Alguém reforçou que o maior obrigado que se pode dar à Igreja é quando os catequistas colocarem na prática o que receberam.
Depois desse momento, o bispo tomou a palavra dizendo que ainda falta muito para que a Palavra de Deus chegue nas tabancas, a sua preocupação é para que os catequistas sejam modelos fortes, preocupando-se consigo mesmo, sua vida de fé.
Elogiou a ideia de ajudar o catequista a saberem procurar na Bíblia as citações. Reforçou muito esta ideia de manusear a Bíblia. Falou dos 15.000 exemplares da Bíblia provenientes do Brasil e incentivou os catequistas a cuidarem da formação pessoal alimentando-se com a Palavra de Deus.


- Reforçou a ideia de uma boa pedagogia catequética para ajudar os catequizandos a aderir melhor à Palavra de Deus. “Uma catequese bem preparada ajuda muito”, salientou.
-Referiu a importância da oração na vida dos catequistas, falou da necessidade de se cultivar uma vida de oração mais séria. Sem o cultivo da oração não se pode avançar. Perguntou “em que dia  os catequistas se juntam para rezar nas paróquias e missões?”
-Falou da importância da presença dos catequistas nas comunidades sobretudo no sentido voluntário.
Agradeceu aos catequistas pelo empenho, de maneira especial o de Cafal pelo esforço para chegar em  Contuboel.
Depois deste momento seguiu-se a Santa missa presidida pelo próprio bispo na festa da Exaltação da Santa Cruz.