quinta-feira, 9 de julho de 2020

IGREJAS DO BRASIL E DA GUINÉ-BISSAU: COM PE. VIDELSON, PELA TERCEIRA VEZ, PROSSEGUIMENTO DO PROJETO DE COOPERAÇÃO MISSIONÁRIA


Pe. João Batista, Dom Câmnate, Pe. Videlson

No âmbito do Projeto de Solidariedade, que teve seu início em 2004, entre as Igrejas do Brasil e da Guiné-Bissau, de 30 de janeiro a 26 de fevereiro ’20, Pe. Videlson Teles de Meneses, da Arquidiocese de Aracaju, Sergipe, Brasil, esteve, pela terceira vez, na Guiné-Bissau, para dar aulas no Seminário Maior Interdiocesano Dom Settimio Arturo Ferrazzetta, em Bissau. Neste ano, Pe. Videlson deu aulas de Sagrada Escritura: Livros Históricos Legais e Livros Didácticos. 

Pe. João Batista, Dom Pedro Zilli, Pe. Videson
Pe. Videlson realçou que “foram semanas intensas, onde os alunos puderam aproximar-se mais da Palavra de Deus em textos narrativos e poéticos”.
Durante o estudo do livro dos Provérbios, houve a oportunidade de partilhar a sabedoria guineense expressa nos diversos ditos populares. Todos os alunos do curso sobre os Livros Didácticos compartilharam provérbios em crioulo. Alguns também em felupe, balanta e papel.



Padres Imbombo, Bernardo, Videlson, Francisco, Dom Pedro
O padre brasileiro também ministrou cursos sobre a Bíblia e o projeto pastoral da Diocese de Bafatá, “a Igreja anuncia o Evangelho com alegria”, nas cidades de Buba e Bafatá. Esteve na Paróquia Nossa Sra. d'Ajuda (Bissau) com um grupo de catecúmenos, conversando sobre a presença de jovens na Bíblia, que foram chamados por Deus para exercer uma missão, como Gedeão, Samuel, David, Maria, Timóteo. Participou do programa “Atualidade litúrgica” do Pe. António Imbombo na Radio Sol Mansi. 
Além disso, Pe. Videlson aproveitou a oportunidade para conhecer algumas Missões Católicas da Diocese de Bafatá: Gabu, Quebo, Contuboel, Bambadinca, participação no Dia da Vida Consagrada em Bafatá,…

Pe. Videlosn e alunos do Seminário
Reencontrou também vários ex-alunos, hoje ordenados padres, que estão actuando nas duas dioceses e em suas comunidades religiosas. Como já dito, esta foi a terceira vez que Pe. Videlson veio para dar aulas no Seminário. Já esteve aqui em 2008 e em 2010.
Desde 2004 quando teve inicio o Projeto de Solidariedade entre a Igreja do Brasil e a da Guiné-Bissau, com o Pe. Videlson, 18 professores vieram dar aulas no Seminário Maior Interdiocesano Dom Settimio Arturo Ferrazzetta, 02 dos quais vieram duas vezes e 01, Pe. Videlson, veio 03 vezes. Dos seminaristas, alunos destes 18 professores, 29 foram ordenados sacerdotes.
Neste ano 2020, além do Pe. Videlson, de 3 janeiro a 13 fevereiro, tivemos a presença do Pe. João Batista Toledo da Silveira, da Arquidiocese de Niterói, Rio de Janeiro. Ele lecionou Teologia Pastoral.
Pe.Videlosn na Radio Sol Mansi com Pe. Antonio Imbombo


segunda-feira, 6 de julho de 2020

38ª SESSÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO JOÃO PAULO II PARA O SAHEL, DAKAR, 17 A 21 DE FEVEREIRO DE 2020



No âmbito da 38ª sessão ordinária, o Conselho de Administração da Fundação João Paulo II para o Sahel, procedeu, na Pouponnière das Irmãs Franciscanas, em Dakar, de 17 a 21 de fevereiro de 2020, a avaliação das atividades implementadas durante o ano de 2019. 
A reunião, que contou com a participação de Sua Eminência, o Cardeal Peter TURKSON, Prefeito do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral e do Subsecretário do mesmo Dicastério, Pe. Nicola RICCARDI, foi vivida como um momento de comunhão espiritual entre os Administradores, fundada numa profunda reflexão sobre os grandes desafios que comprometem a paz no Sahel. 


A Sessão, que teve início na terça-feira, 18 de fevereiro, com uma cerimónia de abertura, na presença do Núncio Apostólico, Sua Excelência Dom Michael W. BANACH e do Arcebispo Metropolitano de Dakar, Sua Excelência Dom Benjamin NDIAYE, constituiu-se, para todos os participantes, numa oportunidade para reflectir sobre a implementação de projetos financiados pela Fundação João Paulo II, nos países do Sahel, em colaboração com as Caritas diocesanas.
No seu conjunto, a necessidade de reforçar a coesão social e a convivência é fundamental, uma vez que a desconfiança instalou-se, de maneira insidiosa, nas comunidades pela ação de grupos terroristas que buscam criar a divisão e o caos para melhor se instalarem. É necessário enfrentar tal situação. É por isso que a ação e o compromisso dos Administradores permitirão um reforço dos valores da paz no seio das comunidades. Por razões económicas, ambientais e de segurança, a Fundação, que é um instrumento da Igreja na busca do bem-estar da pessoa humana no Sahel, está a cumprir, com dificuldade, a missão que lhe foi confiada pelo Papa São João Paulo II.
Os trabalhos do Conselho de Administração foram presididos por Sua Excelência Dom Lucas Kalfa SANOU, Bispo de Banfora, Administrador representando Burkina Faso, Presidente do Conselho de Administração, coadjuvado por Sua Excelência Dom Paul Abel MAMBA, Bispo de Ziguinchor, representando o Senegal, Vice-Presidente do Conselho de Administração e, por Sua Excelência Dom Martin HAPPE, Bispo de Nouakchott, representando a Mauritânia e Tesoureiro do secretariado do Conselho de Administração.



- Participaram da sessão:
Sua Eminência Cardeal Peter TURKSON, prefeito do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral.
Membros Titulares:
- Mons. Lucas Kalfa SANOU, Bispo de Banfora, Administrador representando Burkina Faso, Presidente do Conselho de Administração,
- Mons. Paul Abel MAMBA, Bispo de Ziguinchor, Administrador representando o Senegal, Vice-Presidente do Conselho de Administração;
- Dom Martin HAPPE, Bispo de Nouakchott, Administrador em representação da Mauritânia;
- Dom Ambroise OUEDRAOGO, bispo de Maradi, administrador em representação do Níger;
- Dom Augustin TRAORE, bispo de Ségou, administrador em representação do Mali;
- Dom Pedro Carlos ZILLI, Bispo de Bafatá, Administrador em representação da Guiné-Bissau;
- Dom Martin Waingue BANI, Bispo de Doba, Administrador em representação do Chade;
- Dom Ildo FORTES, Bispo de Mindelo, Administrador em  representação Cabo Verde
  
 Observadores
- Padre Nicola RICCARDI Subsecretário do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral;
- Padre Moïse DEMBELE, do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral;
- Sr. Vincent KRIEGER, Observador Representante da Conferência Episcopal Alemã (CEA);
Membros associados:
– Pe. Prosper KIEMA, Secretário-geral da Fundação João Paulo II para o Sahel;
– Sr. Gustave OUEDRAOGO, Responsável Administrativo e Financeiro da Fundação João Paulo II para o Sahel;
– Sra. Béatrice Marie OUEDRAOGO, Secretária da Direcção da Fundação João Paulo II para o Sahel.


Após analisar a situação global de funcionamento da Fundação, votar por unanimidade o conjunto dos relatórios morais e financeiros e adotar o orçamento para o ano de 2020, os Administradores tomaram as seguintes decisões para a prossecução da missão da Fundação João Paulo II para o Sahel:
1. O Conselho de Administração adotou por unanimidade o Relatório do Conselho de Administração para 2019, o Relatório de atividades e o Relatório financeiro do exercício de 2019.
2. Tendo em vista os melhores resultados produzidos em 2019 na gestão dos fundos próprios da Fundação João Paulo II pela Conferência Episcopal Alemã e pelo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, o Conselho de Administração decidiu suspender todas as démarche de transferência de uma parte dos fundos em África.
3. O orçamento de 2020 foi votado com uma dedução de 25% dos juros dos DAT (deposito a termo) produzidos ao nível do Secretariado durante o exercício financeiro de 2019, como uma contribuição para o funcionamento da Fundação.
4. O Conselho de Administração decidiu financiar os projetos de 2018 submetidos à Conferência Episcopal Italiana. Estes projetos serão financiados pelo juro produzido por nossos próprios fundos durante o ano de 2019, através da Conferência Episcopal Alemã e o Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral.
5. No quadro da mobilização de recursos locais que envolva a participação de nossas dioceses do Sahel, no financiamento de projetos submetidos à Fundação, o Conselho decidiu deixar, para cada diocese, a iniciativa da escolha do dia para tal mobilização.
6. Para mais reflexões com o objetivo de melhor coordenar os esforços de mobilização, uma delegação do Dicastério e o Representante da Conferência Episcopal Alemã serão convidados para a reunião anual do Secretariado Permanente do Conselho de Administração.
7- A próxima reunião do Secretariado Permanente do Conselho de Administração está prevista para os dias 6 a 9 de julho de 2020 em Ouagadougou. Com a chegada prevista para 6 de julho e a partida para 9 de julho 2020.
8. O próximo Conselho de Administração da Fundação João Paulo II está programado para 1 a 5 de março de 2021 em Dakar, na Pouponnière das Irmãs Franciscanas, com a chegada prevista para 1º de março e a partida para 5 de março.









DIOCESE DE BAFATÁ: BAMBADINCA, FORMAÇÃO DE LÍDERES DOS GRUPOS DE ADOLESCENTES, DE JOVENS E MOVIMENTOS; NOVO PÁROCO E NOVO VIGÁRIO PAROQUIAL



 Teve lugar, em Bambadinca de 14 a 16 de Fevereiro, sexta-feira a domingo, a formação dos líderes de grupos de adolescentes, de jovens e movimentos. A missa de encerramento de tal formação, no Sexto Domingo Comum A, foi presidida por Dom Pedro Zilli que deu posse ao novo Pároco da Paróquia “Imaculado Coração de Maria” de Bambadinca, Pe. Avito Fernandes de Araújo e seu novo Vigário Paroquial, Pe. Luís Paulo da Costa Monteiro, cujas nomeações datam de 04 de fevereiro. 
Pe. Videlson Teles de Camargo, que veio, pela 3ª vez à Guiné-Bissau para aulas no Seminário Maior Interdiocesano Dom Settimio A. Ferrazetta, e que foi professor do Pe. Avito, concelebrou, juntamente com os padres Avito, Luis Paulo e Dingana Siga.



A formação que contou com a participação de 50 jovens e adolescentes de quase todas as paróquias e missões da diocese, aprofundou os seguintes temas: Plano Pastoral 2019-2020 (“no ianda djuntu tras di Jesus”) e a influência dos meios da comunicação sobre os adolescentes e jovens. A reflexão sobre o tema do Plano Pastoral 2019-2020 foi animada pela Irmã Estela González, que durante a sua explanação, sublinhou que o maior testemunho que podemos dar da Igreja é estarmos em comunhão, onde cada um assume a sua responsabilidade dentro da comunidade no serviço aos irmãos.


No segundo tema sobre “a influência dos meios da comunicação sobre os adolescentes e jovem”, Pe. Paulo de Pina Araújo mostrou que os meios de comunicação são muito úteis para os jovens se formarem e se informarem mas também podem ser um grande meio de perversão ou de desvios e de desinformação. Ressaltou que para seu “bom uso, é preciso equilíbrio e discernimento”.




DIOCESE DE BAFATÁ: VISITA DO PE. ANDREA BRUNELLI E MOMENTO DE FORMAÇÃO




Nos dias 05 a 20 de fevereiro ‘20, tivemos a alegria de acolher, em Bafatá, mais precisamente na Paróquia São Daniel Comboni, o Pe. Andrea Brunelli, sacerdote diocesano de Verona e psicólogo. Durante a sua visita, nos dias 10 a 13, segunda a quinta-feira, no Centro de Espiritualidade de Ndame, com o apoio do Pe. Lucio Brentegani nas traduções (italiano-português, português-italiano), Pe. Andrea ajudou o bispo Dom Pedro e os 22 participantes, entre Sacerdotes e Irmãs na Diocese de Bafatá – e algumas na Diocese de Bissau, no aprofundamento do tema da “OBEDIÊNCIA, POBREZA, CASTIDADE COMO ESCOLHA DA VIDA”, com enfoque no aspecto psicológico: Obediência, da Pobreza e da Castidade com suas ressonâncias psicológicas.

No texto que serviu de base para o aprofundamento, Pe. Andrea sublinha que “somente no discernimento e na oração é possível alcançar um entendimento do significado que os votos têm para a Igreja”. Com certeza, cada um dos participantes anotou pontos que o marcaram durante a formação. Nesta tentativa de dizer algumas coisas sobre os 03 dias de partilha, eis algumas lembranças do que Brunelli foi propondo: quem entra na vida consagrada, no seguimento de Cristo, deve-se colocar numa atitude de humildade na busca de um redimensionamento de sua vida. Isto só é possível no discernimento e na oração; a vida consagrada não considera a ambição da “carreira”; nada de sonhar com posições prestigiosas, sobretudo na vida externa (tornar-se cantor, politico, director de hospital…); a segunda vocação: trata-se de escolher o que se havia escolhido antes; são necessários 10 anos para harmonizar os mundos interno e externo, um tempo suficiente para uma reflexão, uma síntese pessoal.

A formação fundada na oração, na partilha, e em vários momentos de muito boas dinâmicas, fez com que o grupo, nem sentisse o tempo passar e saísse de Ndame mais coeso e mais reforçado na sua escolha vocacional e missionária para a realização de suas vidas no serviço dos irmãos. A partir dos conteúdos reflectidos, o grupo propôs-se a estar mais atento na relação entre padres e irmãs; estar mais atento na relação no interno da comunidade sacerdotal ou religiosa: superar o isolamento em que cada um vive no seu mundo, “mesmo morando na mesma casa”. Foi realçada a necessidade de se ter mais irmãs nas comissões diocesanas.



sábado, 2 de maio de 2020

IGREJAS DO BRASIL E DA GUINÉ-BISSAU: COM PE. JOÃO PROSSEGUIMENTO DO PROJETO DE COOPERAÇÃO MISSIONÁRIA

Pe. João e seus alunos

Para lecionar Teologia Pastoral no Seminário Interdiocesano Dom Settimio Arturo Ferrazzetta, em Bissau, a Igreja da Guiné-Bissau, acolheu, de 3 janeiro a 13 fevereiro, Pe. João Batista Toledo da Silveira, da Arquidiocese de Niterói, Rio de Janeiro.

Já na segunda-feira, dia 5 de janeiro, ele iniciou as aulas, com uma turma de 26 alunos do curso de teologia, na sua maioria, seminaristas diocesanos, das Dioceses de Bissau e de Bafatá, religiosos franciscanos OFM, duas religiosas franciscanas e uma leiga consagrada. “Uma turma muito dedicada e participativa”, escreveu Pe. João no dia 03 de fevereiro, ao “Niterói Católico” da Arquidiocese de Niterói. Pe. João Batista disse estar “muito feliz em participar da missão na Guiné-Bissau, a convite do Pe. Daniel Rocchetti, da comissão missionária da CNBB… Vim com a missão de lecionar teologia pastoral, no seminário interdiocesano de Bissau, além de visitar os missionários (as) brasileiros (as), que atuam naquele país e conhecer as diversas realidades missionárias das duas dioceses da Guiné-Bissau”.

Missa no Seminario Dom Settimio
Pe. João realça que “o projeto missionário está me proporcionando a oportunidade de conhecer diversas realidades missionárias, pois as aulas são durante a semana, pela manhã, e nos tempos de folga, aproveito para fazer visitas, conhecendo assim, um pouco da vida eclesial de Bissau. Tive contacto com mais de trinta missionários(as), e ainda ficaram alguns sem conhecer”. Fui muito bem recebido pelo Bispo de Bafatá, D. Pedro Zilli (paulista), missionário em Guiné Bissau há mais de 30 anos, há dezenove como Bispo. Conheci a missionária leiga Adriana (Maringá), que há vários anos trabalha como secretária pastoral em Bafatá. Tive oportunidade também, de visitar a comunidade de vida Nova Aliança (Goiás), que atua em Gabu, assim como os missionários do Projeto do Regional Sul 2 da CNBB (Paraná), que estão presentes em Quebo…Fui visitar e celebrar na Comunidade de Vida Nova Berith (da Paraíba), Kairós (de Pernambuco). Nos fins-de-semana, acompanhava os padres diocesanos de Bissau, que atendem às comunidades do interior, chamadas de tabancas. Saíamos sempre de Bissau na sexta à tarde, e voltávamos no domingo à noite. Visitei as paróquias de Ingoré, fronteira com o Senegal, onde participei de um encontro com cerca de 175 jovens. Visitei também a paróquia de Caió, na qual predomina a religião tradicional africana. Estive conhecendo a realidade da Ilha de Bubaque, onde encontrei a Irmã Ana Paula (Rio Grande do Sul) e a Ir. Maria de Lurdes (Santa Catarina), missionárias da Consolata. Participei também de alguns momentos do encontro dos bispos de língua portuguesa, que se realizou em Bissau, sob o lema “o Diálogo Inter-Religioso na Construção da Paz e do Desenvolvimento nos Países Lusófonos”. Tive oportunidade de acompanhá-los, em visita à Universidade Católica e a uma mesquita, a convite dos Muçulmanos.

Missa no Seminário Dom Settimio
No referido artigo do dia 03 de fevereiro, Pe. Afirmou “sem dúvida, uma experiência marcante em minha vida missionária, voltar ao continente africano, depois de 16 anos, quando estive na missão, em Moçambique, por seis meses. Conviver, mesmo que seja por pouco tempo, com este povo querido e alegre, não obstante as dificuldades que enfrentam, dão uma lição de vida! Fiquei impressionado, positivamente, com o trabalho social desenvolvido pelos missionários (as) e as diversas instituições internacionais humanitárias. Em todas as realidades missionárias que visitei, constatei pelo menos uma obra social, escolas, centros nutricionais, hospitais, e outros. Pude ver, de perto, o empenho missionário realizado por missionários (as) de diversos países, aqui em Guiné Bissau. O continente africano é uma Igreja viva e já está produzindo muitos frutos de vocações sacerdotais, religiosas, missionárias e leigas. Basta conferir as últimas estatísticas da Igreja no mundo. O continente africano está superando todos os demais continentes em número de vocações e de fiéis. Estão também, aprendendo a partilhar missionários pelo mundo inteiro”.
Por fim, Pe. João salienta: “agradeço a Deus, por esta oportunidade de servir como missionário, aqui na Guiné Bissau, à Arquidiocese de Niterói, na pessoa de Dom José Francisco, por ter permitido a minha vinda. Ao Pe. Douglas Fontes, Reitor do Seminário são José (Niterói), pela minha indicação para a missão. À dimensão missionária da CNBB, pela confiança depositada. Não posso deixar de agradecer aos bispos, padres, irmãs, seminaristas e leigos, que me acolheram com tanto carinho aqui na Guiné-Bissau. Cheguei aqui com a missão de ensinar, mas certamente, aprendi muito mais. Acredito, firmemente, que esta missão, aqui na África, foi providencial, pois está servindo de preparação para a nova missão que irei assumir no Brasil, ao voltar, em março de 2020, com a abertura de um novo projeto, Igrejas irmãs, que a Arquidiocese de Niterói irá iniciar, com a diocese de Humaitá AM. Um gesto concreto, em vista do Sínodo da Amazônia, e mais um sinal forte da partilha missionária de Niterói. Louvado seja Deus!”.

Pe. João, Dom Câmnate e Pe. Videlson
Diante da beleza de tudo aquilo que Pe. João partilhou no escrito, mas sobretudo, nos momentos vividos juntos, só nos resta a agradecer Deus e à Igreja do Brasil, pela bênção de tê-lo conosco, na Guiné-Bissau, durante 40 dias.
Desde 2004 quando teve inicio o Projeto de Solidariedade entre a Igreja do Brasil e a da Guiné-Bissau, com o Pe. João, 18 professores vieram dar aulas no Seminário Maior Interdiocesano Settimio Artur Ferrazzetta, 3 dos quais vieram duas vezes. Dos seminaristas, alunos destes 18 professores, 29 foram ordenados sacerdotes. Além da formação académica no Seminário, os professores do Brasil assumem diversos outros serviços: celebrações no seminário e nas paróquias, encontros e cursos de formação para leigos, retiros, etc., conforme a possibilidade de cada um e as solicitações recebidas.

Pe. João, Dom Pedro Zilli, Pe. Videlson
Realce-se que, de 30 de janeiro a 26 de fevereiro, esteve na Guiné-Bissau, pela 3ª vez, o Pe. Videlson Teles de Meneses, da Arquidiocese de Aracaju (Brasil) para dar aulas Seminário Maior Interdiocesano Dom Settimio Arturo Ferrazzetta, em Bissau.

sexta-feira, 1 de maio de 2020

DIOCESE DE BAFATÁ: GABU, DOM PEDRO ZILLI EM VISITA PASTORAL

Em Sonaco

Sob o lema do Ano Pastoral da Diocese de Bafatá, 2019-2020, “no ianda djuntu tras di Jesus”, de 06 a 09 de fevereiro, quinta-feira a domingo, Dom Pedro realizou sua visita pastoral à Paróquia Santa Isabel de Gabu, cujo Pároco é o Pe. Odilon Judicael Leno, Espiritano. 

Pitche
A visita teve seu início, na quinta de manha (06), com a Santa Missa na comunidade Santo António de Sonaco. Na reunião com a pequena comunidade, logo após à celebração, foi sublinhada a importância do dízimo, “como um tirar um pouco daquilo que Deus me deu para oferecer à comunidade”. Ao ouvir os “parabéns” de Dom Pedro “pelo mosaico na capela”, alguém sublinhou que “não é suficiente uma ‘casa bonita’ e que é preciso maior participação dos jovens e das famílias”. 


Pitche

Outra pessoa ressaltou que “não se pode passar a vida, falando do muito trabalho como causa da não participação ativa no caminho da comunidade”. Além da visitPa pastoral, Pe. Odilon e os participantes pediram a presença do bispo em outros momentos da comunidade, pois “a presença do pai traz mais animação”. A Igreja, em Sonaco, conta com 36 crianças no Jardim Infantil, 16 na Primeira Classe e 18 a Segunda, perfazendo um total de 70.
À tarde, depois do almoço na casa das Irmãs Clarissas Franciscanas Missionárias do Santíssimo Sacramento, Dom Pedro encontrou-se com o Conselho Paroquial, em Gabu. Como em outros momentos, Pe. Odilon, iniciou a reunião desejando “bem-vindo” a Dom Pedro e que sua visita “seja um momento forte de animação para a comunidade paroquial”. 

Gabu
No primeiro ponto da reunião, falou-se da vivência do Plano Pastoral, dos Directórios da Iniciação Cristã dos Adultos (2007), das Crianças e Adolescentes (2010) que devem passar por uma revisão (ver Plano Pastoral); no segundo ponto, concordou-se em refazer a cobertura da igreja paroquial com zinco, deixando-a do tamanho que está. Será feito um orçamento; no terceiro ponto, Dom Pedro apresentou ao Conselho e entregou, ao Pe. Odilon, uma cópia do “INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS DE TERRENO PARA USO MISSIONÁRIO SEM ÔNUS QUE FAZEM ENTRE SI DIOCESE DE BAFATÁ E COMUNIDADE CATÓLICA NOVA ALIANÇA”. Falou-se que, no futuro, no referido terreno, poderá nascer uma nova paróquia, uma escola profissional…!; o quarto ponto tratou da necessidade de uma nova dinamização da Pastoral da Dizimo que “caiu muito em Gabu”.


Igreja paroquial Santa Isabel
Na sexta-feira, dia 07de fevereiro, de manhã, com Pe. Odilon e o Sr. Marcelino Vaz, Dom Pedro visitou a Mesquita, doentes e almoçou na Comunidade Católica Nova Aliança; à tarde, reunião com a Equipa Missionaria: Pe. Odilon, Clarissas e Nova Aliança. Pe. Odilon, abrindo a reunião com a leitura da 1ª Carta aos Coríntios, 1,10-13.17, sublinhou a importância da unidade na Igreja, da unidade entre os missionários. Citou Paulo, quando diz: “guardai a concórdia uns com os outros, de sorte que não haja divisão entre vós;…”. Foi falado da presença continuada, em Pitche, por parte da Nova Aliança, já lá vão 05 anos. Bruno recordou que este foi um pedido de Dom Pedro, no sentido da Comunidade apoiar Pitche, com “maior proximidade”; em relação à Comunidade Santa Clara, em Gabu, seguida de perto pela Nova Aliança, foi falado do “aumento do número de participantes, especialmente, aos domingos para a missa”; Eliane da Nova Aliança disse estar seguindo 11 crianças no acompanhamento vocacional; o Jardim Infantil “Santa Bakhita” conta com 59 crianças. A Nova Aliança sublinha que o trabalho feito no Jardim, não visa somente a educação, mas também a evangelização. Visitam as famílias das crianças e isto tem reflexo nestas famílias, mesmo em relação à saúde; maior participação e até os pagamentos das mensalidades melhoram; 

As Irmãs Ângela e Geraldina das Clarissas falaram da presença da Comunidade em Gabu: Centro de Recuperação Nutricional (CRN), Casa das Mães. na catequese. Alem disso, acompanham a Comunidade de Sonaco; disseram que “entraram na escola por uma questão de necessidade” e falaram que 198 crianças estão nos Jardins Infantis de Pitche, Sonaco e Santa Isabel; frisaram que a Pastoral da Criança “praticamente morreu em Gabu”. Irmã Geraldina e Florinda estavam em Ziguinchor (Senegal) para a Profissão das Alfoncina e Eunice.
No sábado (dia 08), Dom Pedro visitou os grupos de catequese na Comunidade Santa Isabel. Viu, com satisfação, um bom grupo de catequizandos (211) e de catequistas (22), entre os quais, 04 jovens da Paróquia São João Batista de Brá, que estão a frequentar o curso de medicina; encorajou a todos a “entrarem, sempre mais, no Mistério de Cristo, numa vida marcada pela oração, escuta da Palavra e de serviço aos irmãos”; no encontro com os catequistas, falou-se da vivência do Plano Pastoral 2019-2020, da necessidade de cartazes para a catequese (o Adelino poderia fazer) e do Volume 4 “que está em falta”.

juventude Gabu

No sábado, à tarde, com Pe. Odilon, Bruno, Camila, Marcelino Vaz, Dom Pedro visitou Pitche para a Santa Missa e encontro com a comunidade. No encontro com a comunidade, referiu-se com alegria, o dom de 02 seminaristas: Mbali e Bubakar; foi enfatizado que os alunos, depois da nona classe vão embora para completar os estudos; pediram que Pitche tenha escola desde o Jardim Infantil até a 12ª classe. Foi evidenciado que, em Pitche há uma boa participação das mulheres, crianças adolescente e jovens; a partir daí, uma pergunta: “o que fazer para que os adultos (homens) venham Igreja? Dão desculpa do muito trabalho, falta de tempo…”.
No domingo, dia 09, Quinto Domingo do Tempo Comum A, às 9,00 horas Dom Pedro presidiu à celebração da Eucaristia na Comunidade de Santa Clara e às 10,00 na Comunidade Santa Isabel. Em todas as missas, meditando o Evangelho, proposto para esse domingo (Mt. 5,13-16), Dom Pedro exortou os cristãos a serem, verdadeiramente “Sal da terra” e “Luz do Mundo”.
Citava sempre as palavras do Papa Bento XVI, na Homilia de abertura da II Assembleia para a Africa, do Sínodo dos Bispos, de 04 de outubro de 2009: “Para se tornar luz do mundo e sal da terra é preciso apostar cada vez mais na ‘medida alta’ da vida cristã, isto é, na santidade. Os Pastores e todos os membros da comunidade eclesial são chamados a ser santos; os fiéis leigos são chamados a difundir o odor da santidade na família, nos lugares de trabalho, na escola e nos âmbitos social e político”.

Irmãs Alfoncina, Florinda e Eunice
Às 12,00 horas, Dom Pedro encontrou-se com grupo de famílias de Gabu. Foi uma conversa muito boa e aminada, onde surgiram várias questões culturais em relação ao matrimónio. O bispo incentivou os casais à vivência “alegre, serena e frutuosa” da vida matrimonial, transmitindo aos filhos e à juventude, “um legado de amor e de fidelidade”.  
À tarde, Dom Pedro encerrou a visita pastoral, com um encontro os adolescentes, Jovens, Escutas, CVAV. No encontro, muito animado, foram dadas as seguintes estatísticas dos grupos: CVAV 200; Escutas 70; Jovens 57; Adolescentes 30.
Em todos os encontros e celebrações, Dom Pedro convidou a comunidade a agradecer a Deus por mais duas novas vocações consagradas nas Clarissas Franciscanas: Alfoncina e Eunice, duas jovens guineenses que, no sábado, dia 08, em Ziguinchor, fizeram a Primeira Profissão dos Conselhos Evangélicos. Igualmente, em todos os encontros e celebrações, o bispo falou da alegria em acolher, na Guiné-Bissau, no mês de abril próximo deste ano 2020, os dois símbolos Jornada Mundial da Juventude: a Cruz do Ano Santo e o Ícone da Virgem Protetora do Povo Romano ( Salus Populi Romani)

sexta-feira, 10 de abril de 2020

BAFATÁ: CELEBRAÇÃO DO DIA DA VIDA CONSAGRADA



No dia 01 de fevereiro, cerca de 90 consagrados e consagradas presentes na Guiné-Bissau ou originários do país, reuniram-se em Bafatá para celebrar, juntamente com Dom Pedro Zilli, o XXIV Dia Mundial da Vida Consagrada.

No salão paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Graça, a Irmã Eulália Machel, Presidente da COVIGB – Conferência Vida Consagrada da Guiné-Bissau -, iniciou o encontro com “Palavras de Boas vindas”, ao Dom Pedro, aos sacerdotes, freis e irmãs de vida consagrada, de Sociedades de Vida Apostólica e das Novas Comunidades nas Dioceses de Bissau e Bafatá. Durante suas palavras, Irmã Eulalia fez uma oração: “Hoje, também nós nos juntamos à volta do nosso Pastor, para contar que: rezamos e ensinamos a rezar; construímos igrejas e capelas onde falamos do Teu nome, construímos jardins infantis e cuidamos das crianças, entretendo-as e ensinando valores; construímos escolas e ensinamos o ABC; construímos hospitais, curamos e ensinamos a cuidar da saúde; visitamos os doentes e idosos; visitamos os presos e cuidamos dos desamparados”.

Dom Pedro fez um momento de meditação com os participantes: falou do gesto de obediência à lei e de oferta, feito por Maria e José, como inspiração para a vida consagrada; falou da vida consagrada como um encontro com Cristo; falou da Vocação consagrada: vida dedicada à Missão; falou do consagrado: coração apaixonado pelo Reino dos Ceus; Falou da Vivência da fé, sublinhando o seguinte:estou certo de que se procurarmos viver a fé, a serenidade, a paz de Simeão, Ana, Maria e José evitaremos todo o esgotamento e seremos bons que não se cansam”. 


Na Homilia da Missa da Festa da Apresentação do Senhor, na Se Catedral, entre outros aspectos, Dom Pedro realçou o seguinte: “Somos habituados a ouvir um ditado que diz: ‘o que importa é a qualidade e não o número’. No entanto, muitas vezes, me ponho a refletir que se o número for pequeno, a possibilidade de se sair com qualidade fica bem mais reduzida. A partir daí, foi para mim uma descoberta, quando pude melhor meditar a Oração da Coleta da Missa ‘Maria, Mãe de Deus, B’: ‘Deus, Pai de Misericórdia, cujo Filho Unigénito, pregado na cruz, nos deu a sua própria Mãe, a Virgem Santíssima, como nossa Mãe, fazei que a Igreja, assistida pelo seu amor materno, exulte com o número e a santidade de seus filhos e reúna numa só família todos os povos da terra. Por Nosso Jesus Cristo,….!’ Talvez esteja aí um critério para avaliar da vida das nossas Congregações e Institutos: se o número continua bom ou está a aumentar e se a santidade tem ocupado um bom espaço no seu seio”.


À seguir á celebração da Santa Missa, no salão da cúria diocesana, cada um colocou sobre mesa, o almoço que trouxe. Foi um gesto de verdadeira partilha num ambiente de muita alegria, com músicas, encenações e muita festa de agradecimento a Deus pelo dom da Vida Consagrada.